Cinema Boxe – E você achando que ele era um esporte morto

Aviso: este é um texto feito de forma totalmente imparcial, feito por alguém que aprecia o esporte e pouco está ligando para competições. Se achar que é uma opinião exagerada e muito poética, há pelo menos 75% de chance de você estar certo. E se não se importar com isso, pode seguir em frente.

filmes de boxe

É um fato que hoje em dia a maioria das pessoas tem preferido acompanhar os espetáculos do MMA a outras artes marciais como boxe e judô. A popularidade do esporte, pelo menos aqui no Brasil, caiu muito na última década, parte pela própria ascenção do MMA e seus representantes brasileiros em destaque, parte pela falta deste mesmo fator no boxe, que hoje é mais lembrado em olimpíadas e competições similares. Ainda assim, é um esporte que traz uma carga emocional forte a seus espectadores, seja pela angústia dos espectadores mais casuais em ver a violência de cada golpe, seja pelas técnicas apuradas que apenas alguém um pouco mais entendido consegue perceber em meio a troca constante de socos.

Crédito: Imagem Filmes/Divulgação. Cena do filme Guerreiro, de Gavin O'Connor.

Outro fato é que, mesmo com tamanha popularidade, o MMA até agora não teve grande representação cinematográfica. Exceto pelo excelente Guerreiro (2011), ainda não há um filme memorável no gênero. Por outro lado, há décadas temos histórias relacionadas ao boxe, com mensagens fortes sobre superação, amizades, dedicação, entre outros valores que conseguem sobrepor a própria competição, algo supervalorizado pelos espectadores. E embora “superação” seja o princípio que sustente praticamente todas as artes marciais, o boxe parece enaltecê-lo ainda mais.

Não se confunda! Superação nem sempre se trata de se esforçar ao máximo, indo além dos próprios limites ou dos limites impostos por algo ou alguém. Superação também significa melhorar a si mesmo. Vencer a si próprio é derrubar em seu íntimo aquilo o derruba, ou estar pronto para encará-lo sempre que se manifestar. Só quando isso é alcançado é que podemos dizer que nos superamos.

muhammad-ali

E é curioso notar que nos bons filmes sobre boxe este aspecto é enfatizado de maneira dramática e envolvente. Mesmo que você não goste do esporte, você torce para que o protagonista vença a luta, porque, mal ou bem, você também tem a sua própria. A alegoria é simples, mas intensa quando compreendida.

Veja por exemplo em Luta pela Esperança (SPOILERS a frente, leia apenas se já viu o filme): o protagonista, depois de perder tudo devido a crise financeira nos EUA, engole o próprio orgulho e abre mão de seus sentimentos pelo passado glorioso para manter a família unida, a ponto de pedir esmola para seus antigos empresários. Depois de várias situações complicadas (os filhos ficarem doentes por não ter aquecedor em casa em pleno inverno é somente uma delas), seu antigo treinador consegue uma luta para o protagonista, que precisa vencer se quiser ter um pouco mais de dinheiro para sustentar a casa. Ele treina duro, fica menos tempo com a família que jurou sustentar, e chega a passar fome pouco antes da luta, e vence a duras penas.

cinderella-man

Quantos de nós que já não passaram por problemas externos (dívidas, problemas no trabalho ou de saúde, etc) ou internos (perda de pessoas queridas, medos, dúvidas…) e precisaram se esforçar o dobro ou o triplo do habitual para sobrepujá-los? Vendo o exemplo acima, fica fácil entender quem é o adversário, onde é o ringue, qual a estratégia para a vitória, ou mesmo saber lidar com a derrota: o final de Rocky, Um Lutador mostra que nem sempre a vitória necessariamente precisa ser dentro do ringue…

rocky

Pode-se dizer que as competições de boxe hoje em dia esfriaram. Como disse lá no início do texto, não me importo com elas, por mais que exista figuras memoráveis na história do esporte. Pelo contrário, justamente por não estarem nos holofotes, acredito menos nos quinze minutos de fama, e mais em como enfrentar cada adversário. Porque, mais do que dois lutadores se espancando num ringue (o espetáculo tão aclamado por várias pessoas), se trata do último estágio de uma luta que se é travada muito antes. Quem entende isso, sabe bem que não são apenas duas pessoas se digladiando até um cair. Se trata de pessoas, tão comuns quanto eu ou você, que procuram ir além do que já são.

E sem perder o hábito de listas, recomendo o seguintes filmes de Boxe:

Lista Box

Estes ainda não assisti, mas vale dar uma olhada:

Lista Box2

PS: para os amantes dos filmes de Boxe, saiu um trailer recentemente de Grudge’s Match, sátira protagonizada por Robert De Niro (Touro Indomável) e Sylvester Stallone (Rocky Balboa). A previsão de chegar ao Brasil é para Janeiro. E só a piada com o treino na peça de carne já valeu o trailer =)

Assinatura_Willian_Marinho

Anúncios
Marcado com: , , , , , , , , , , ,
Publicado em Post da Equipe
Um comentário em “Cinema Boxe – E você achando que ele era um esporte morto

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: